Para Onde Você Olha

esperana

esperana “Manter o foco é fundamental. Evite distrações desnecessárias”. Em qualquer seminário sobre liderança, palestra motivacional ou  livro de auto-ajuda você provavelmente encontrará essas exatas palavras ou pelo menos, conceitos  parecidos. De fato, em várias situações na vida, manter o foco é fundamental e evitar distrações desnecessárias, pode ser o fiel da balança entre o sucesso e o fracasso.

Daidoji Yuzan escreveu no início do século XVIII, um livro à respeito do Bushido (Caminho do Guerreiro), código de conduta dos samurais. Para ele, “aquele que reclama para si o título de guerreiro deve entender que sua mais importante tarefa é ter a morte sempre em mente, do primeiro dia do ano ao último instante do último dia do ano”. E completa: “A vida do homem é fugaz como orvalho noturno ou como a geada matinal (…) O guerreiro que não traz a morte em sua mente torna-se negligente e descuidado. Falará coisas sem pensar e dirá coisas que ofendem os outros e provocam brigas”.

Milhares de anos antes o apóstolo Paulo já havia escrito que “Nenhum soldado se deixa envolver pelos negócios da vida civil, já que deseja agradar aquele que os alistou”(II Tm 2.4). No entanto, é notória nossa capacidade como seres humanos de perdermos o foco, de nos perdermos nas amenidades do cotidiano, deixando o que é mais importante, nosso relacionamento com Deus, em segundo plano.  Muitas vezes, só a proximidade da morte, um livramento ou uma doença  nos arranca do nosso estado de hibernação e nos desperta para uma reflexão mais profunda. Só assim conseguimos recuperar o foco.

Quando penso na necessidade de se manter focado no essencial, entendo que é necessário priorizarmos o espiritual ao invés do material.  Não posso ser hipócrita e sugerir que não precisamos ter preocupações materiais tais como pagar o aluguel ou colocar comida. Tampouco sugiro o caminho de uma super espiritualização que nos leva ao fanatismo e à bitolação. Priorizar  o mundo espiritual não é viver na “Ilha da Fantasia” , muito pelo contrário, é ter uma noção exata da realidade. É saber que nossas atitudes no mundo físico tem implicações no mundo espiritual. É saber que nossa relação com tudo o que há no mundo, deve ser dirigida pelo Espírito Santo,  pois o mundo oferece coisas boas e ruins, necessárias e desnecessárias, aceitáveis e inaceitáveis. É preciso discernimento espiritual para fugirmos das coisas ruins, mas também para usarmos as coisas boas, sem nos tornarmos escravos delas. “Os que usam as coisas do mundo, (vivam) como se não as usassem…” (I Co. 7.31a, grifo do autor).

Mas se manter focado no essencial é também priorizar o eterno ao invés do temporário. É preciso consciência de que “a forma presente desse mundo está passando (I Co 7.32b). É preciso  lembrar que o hoje pode ser a véspera de nosso encontro com Jesus, já que amanhã Ele poderá voltar ou poderemos ser chamados à sua presença. E na sua presença daremos conta de tudo o que fizemos ou deixamos de fazer. É preciso lembrar que seremos cobrados quanto ao nossos talentos. Usamos ou enterramos? É preciso lembrar também que seremos cobrados quanto aos tesouros  acumulados. Aonde?  No céu ou na terra?

 Lembre-se que o lugar para o qual você direciona seu olhar revela quem você é. Para os gurus da auto-ajuda devemos focar nossos objetivos. Já o código dos samurais fala que é preciso conservar a morte sempre em mente. Mas a palavra de Deus nos mostra um caminho mais excelente: Jesus, autor e consumador da nossa fé (Hb 12.1). Pois é só quando estamos focados em um relacionamento com  Jesus é que vida (com seus objetivos) e morte, adquirem significado. E você, para onde está olhando?

 

Pr. Elber Costa Macharetti