Em uma manhã chuvosa do dia 13 de novembro de 2016, a Primeira Igreja Batista de Campo Grande entrou em culto para adorar ao Rei dos reis e para comemorar o Dia do Diácono Batista.

Após uma breve comunicação feita pelo pastor Ricardo Ramos, o irmão Natanael Souza fez no prelúdio um lindo solo de violão. A Ministra de Música Angélica Miranda orou ao Senhor e Ministrou para a igreja que a gratidão deve ser o motivo de estarmos na Casa de Deus. Com o apoio da Equipe de Louvor foi feita a leitura do recitativo bíblico e o canto dos hinos Porque Deus é Bom (Kenolly) e Ser Conhecido de Deus (Fernandes/Bittencurt). Após o louvor, a MM Gisele Penido declarou que devemos estar sempre prontos para servir o Senhor.

Em seguida, lembrando o Dia do Diácono Batista, o pastor Carlos Elias convocou todos os diáconos presentes para estar à frente e assim receberem uma lembrança e uma oração. Toda igreja adorou ao Senhor com o hino No Serviço do Meu Rei (491 HCC Ackley) hino oficial dos diáconos batistas.

O coro Infantil adorou a Deus com dois belos hinos. Um momento singelo, de ternura e alegria para toda igreja. Logo após a irmã Vilma Pedro convocou toda igreja para trazerem doações para a Casa de Repouso Betel. Na lista de doações foram citados: utensílios de higiene pessoal, toalhas de mão, camisolas, pijamas, maisena, biscoitos entre outras coisas. “Vamos fazer a diferença. Deixe Deus tocar no seu coração e traga as doações para que possamos dar um Natal melhor para esses idosos”, afirmou. O momento de apresentação de bebês foi dirigido novamente pela irmã Vilma Pedro que, junto com os familiares e os pastores oraram a Deus apresentando os pequeninos no altar do Senhor.

A mensagem da Palavra de Deus foi pregada pelo Diretor do Ministério de Educação Cristã, pastor Lucas Rangel que trouxe uma reflexão sobre texto que está em Jonas 1.1 e 4.11 com o tema: Da Fuga ao Avivamento. Lembrando que estamos no mês de Novembro, mês da Música, o enfoque foi dado na adoração que um cristão deve dar como compromisso de serviço ao Senhor.

Depois de apresentar um breve resumo histórico da vida e da época de Jonas, que realmente existiu e foi profeta na região norte de Israel, o pastor Lucas afirmou: “Deus produz vida, mesmo que o homem prefira a morte.” O Senhor queria tratar Jonas e dar a ele uma lição de misericórdia divina. No capítulo 1 o pastor Lucas declara que Jonas sai da vida para a morte. Ele foge para morte certa. Para fugir da presença do Senhor, viaja para Oeste ao invés de ir para Leste. Decide desobedecer, mas o salário do pecado é a morte. Apesar de ser um servo do Senhor, não fazia nenhuma diferença para o bem, mas a presença dele trazia morte. Da mesma maneira quando nós vivemos uma vida de desobediência, as pessoas ao nosso redor não conseguem ver a diferença ente o Deus todo Poderoso e os diversos falsos deuses que existem por aí.

Deus em sua soberania, amorosamente frustra os nossos planos que nos afastam dos dEle. A obediência a Deus é mais do que uma mera sugestão. É condição para desfrutarmos da vida plena de Deus. A consequência natural era que ele morresse, mas a misericórdia do Senhor segue Jonas todo instante. À medida que eu escolho desobedecer, eu só colho tristeza e morte. Se quisermos viver uma vida de bênçãos, devemos obedecer ao Senhor.

Da morte para vida

Jonas é salvo para cumprir sua missão. Deus é o grande personagem do livro de Jonas. Ele age o tempo todo para que tudo acontecesse conforme o Seu querer. O Peixe foi instrumento do grande ensino a Jonas. A imerecida e inesperada intervenção salvadora de Deus preserva a vida do profeta Jonas. Ele tinha sido escolhido e só assim ele poderia cumprir a sua missão. Deus está sempre pronto a nos resgatar de qualquer situação.

Deus nunca vai te usar de forma poderosa enquanto você não estiver submisso a leve. Deus trata primeiro do caráter do seu servo, para que depois ele esteja pronto para o serviço. Deus é o autor da salvação. Sem a intervenção soberana do Senhor não poderemos ser benção para o próximo.

Da vida para o avivamento

Jonas é usado para levar vida a uma terra de morte. Deus deu uma segunda chance para o profeta para produzir vida em um lugar de morte. A intenção de Jonas era que toda cidade perecesse, mas ao contrário todos se convertem conforme está em Jonas 3.1-5. A Palavra de Deus é tão perfeita que mesmo sendo pregada por pregadores imperfeitos, causa uma transformação na vida do ouvinte. Quando a Bíblia fala, Deus fala e acontece a transformação. Deus pode trazer vida para o avivamento através das vidas mais afundadas nas trevas. Se Deus livrou os Ninivitas, Ele pode livrar o maior pecador e pode usar para isso o instrumento mais incapaz segundo a sua vontade. A nossa obediência a Deus é verdadeira, mas é incompleta. Só através dele as coisas acontecem.

Deus quebranta Jonas

Apesar de ver a misericórdia de Deus sobre Nínive, Jonas ficou muito chateado, pois ele queria que Deus destruísse a cidade. Todos se alinham a vontade de Deus, mas Jonas não. Ele precisava ser quebrantado. Mesmo servindo a Deus, nosso coração por estar distante dos Seus propósitos. Por mais contrariado que estejamos, é sempre melhor sujeitar-nos à vontade de Deus porque ela é boa, agradável e perfeita.

No final da mensagem o pastor Lucas afirma que Jesus é a fonte de toda a vida. “Deus produz vida, mesmo que o homem prefira a morte.”

No encerramento do culto a equipe de louvor adorou com o cântico Coração Igual ao Teu (Diante do Trono) e o pastor Carlos Elias orou ao Senhor impetrando a benção apostólica.

Texto: Diácono Newton Cezar

Compartilhe: