Correndo para Alcançar

“Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis”- I Co 9:24

Creio que a maioria de nós viu muita gente correndo pelos estádios da África do Sul nos últimos dias. Times bem treinados, jogadores profissionais, muito focados para conquistar o grande prêmio.  Hoje na grande final, só um vai levar o grande prêmio.

Na corrida à que Paulo se refere no texto em destaque, todos estamos no “estádio”, a corrida já começou faz tempo e a coroa é para aqueles que ultrapassarem a reta final. Só que há muita gente que ainda não se deu conta disso (ou não quer se dar). O fato de ignorar que já foi dada a largada e a “tão grande nuvem de testemunhas” (Hebreus 12.1) que está torcendo por nós, não os livrará da vergonha da derrota.

Na corrida da vida cristã, todos podem levar o grande prêmio. Há, contudo, alguns “segredos” na maneira de correr de Paulo e de todos que acabam por alcançar a coroa. Se não nos atentarmos a esses “detalhes” indispensáveis que fazem de um atleta um vencedor, não receberemos o grande prêmio de nossa vocação celestial.

1. É preciso DISPOSIÇÃO – Ninguém corre empurrado. Se não quiser, se não desejar, nunca será um atleta vencedor. Ninguém se torna um ganhador de vidas forçadamente. Antes de qualquer coisa é preciso ter consciência da convocação de Jesus para a “corrida”. É preciso desejar ardentemente chegar às vidas, tirá-las do inferno, ainda que isso nos custe o nosso “tudo para com todos”. Dizer sim ao desafio do Pai é algo absolutamente pessoal; ninguém pode fazer pelo outro. A decisão de correr é de cada um.

2. É preciso VISÃO DO ALVO – Saber aonde chegar é fundamental para o corredor! Enxergar o alvo, a meta à frente é uma condição para quem deseja o troféu. Os olhos do vencedor nunca se desviam da fita de chegada; é isso que o motiva a dar o melhor de si.  “Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso, e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos com perseverança a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da nossa fé, Jesus…” (Hebreus 12.1,2a).

3. É preciso INVESTIMENTO – Investimento se traduz em esforço, recurso e tempo. Não há um só atleta vencedor, seja qual for a sua modalidade, que tenha conseguido a vitória sem um grande preparo, dedicação e muito treino.

4. É preciso FIDELIDADE – Um atleta que almeja o lugar mais alto do podium, não pode correr de qualquer maneira. Há regras e limites a serem observados. É preciso fidelidade e obediência as regras. Isso implica em conhecimento das regras. “Igualmente o atleta não é coroado se não lutar segundo as normas” (2 Timóteo 2.5)

Na corrida cristã a principal característica de um corredor é a santidade. “Todo atleta em tudo se domina” (1 Co 9.25). Como o texto de hebreus já diz, é essencial nos “desembaraçarmos de todo peso e do pecado” se quisermos continuar bem na corrida.

Chegar em primeiro não é garantia de medalha. Se alguma regra foi transgredida esse atleta por mais esforçado que seja será desclassificado. Até podemos ter conquistado o “alvo das multidões”, contudo, se o fizemos fora das regras o que nos espera no final é reprovação, dor e vergonha (Mt 7:21 a 23). Paulo nos alerta para esse risco: “Mas esmurro o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, tendo pregado o evangelho a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado” (1 Co 9.27).

5. É preciso PERSEVERANÇA – Só será coroado aquele que além de disposto, santo e esforçado, perseverar até o fim (Ap 2.10c). Porém, o combustível da perseverança é a fé. Sem ela não há como superar as resistências da corrida e permanecer na luta. “Correndo” de uma maneira natural, sem contarmos com o milagre é impossível! Precisamos ter os olhos no Senhor, nosso Provedor, para não nos “fatigarmos e desmaiarmos em nossa alma” (Hb 12.3).

“Ao vencedor dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono, assim como também eu venci, e me sentei com meu Pai no seu trono” (Ap 3.21).

Correi de tal maneira que o alcanceis.

Pr. Carlos Elias de Souza Santos.