A luta é grande, mas Deus é maior

A luta é grande, quando a enfermidade toma ameaçadoramente o nosso corpo (ou o corpo de quem amamos). A dor só é apaziguada pelas lágrimas, o tratamento implica ainda em mais dor, o medo deixa de ser um fantasma para se transformar numa companhia constante e o futuro se parece com uma folha tênue facilmente virada pelo vento. A luta é grande, mas Deus é maior.

A luta é grande, quando o transtorno emocional controla a nossa mente (ou a mente de uma pessoa querida). A dor que não se vê nos visita a todo instante, a incerteza quanto ao presente fecha o umbral do amanhã, o diagnóstico não é consenso entre os terapeutas, como se nossos pés estivessem firmes sobre uma prancha que não existe sobre ondas calmas num instante e revoltas segundos depois. A luta é grande, mas Deus é maior.

A luta é grande, quando, diante dos nossos pés (ou de alguém de quem estamos perto), abre-se uma nova avenida. Seguir por uma avenida demanda deixar outra. A luta pode ser banal para os superficiais, mas é brutal, porque regada pelo pranto para os que estão profundamente compromissados com a lei da graça de Jesus, que impele a uma vida regida pela única vontade boa, santa e perfeita, que é a de Deus. A luta é grande porque o desejo é intenso demais para ser ignorado. A luta é grande porque o desejo quer nos governar, quando já escolhemos ser guiados pelo Espírito de Deus, que quer nos levar pela trilha que não queremos. A luta é grande, mas Deus é maior.

A luta é grande, quando, o entusiasmo nos habita e nos põe em marcha para começar e terminar um grande projeto, que tem o tamanho de nossa vida. O sonho pelo sonho é nuvem que passa, se não virar pesadelo. O sonho que faz o corpo dar os passos para a sua realização não acontece sem oposição e sem suor. O sonho que move uma vida não é pequeno, não tem o tamanho de uma noite que morre a cada manhã; na verdade, o sonho que vale a pena caminha de dia e noite, sob o sol ou sob a chuva, sob o frio e debaixo do calor. Quem está empenhado num grande projeto sabe que fazer o imaginário tocar o chão da realidade dá sentido à vida, mas a obra não acontece porque a sonhamos ou porque digamos certas palavras a seu respeito. A obra realizada é filha da luta, que é grande, mas Deus é maior.

Fonte: Prazer da Palavra