coluna-ti

Certamente você já leu ou ouviu alguém falar estes termos: KKK, VC, ABS, TKS, LOL, OMG, \o/ e ;-)? Pois é, estamos na era da internet, a velocidade e o dinamismo das redes sociais, como Facebook e Twitter, fez com que a sociedade em geral se adequasse a estas terminologias, sinais e outras maneiras de se interagir com o próximo.

Porém é necessário compreender a diferença entre conversar em um chat, publicar uma mensagem no facebook, no twitter, em um blog e fazer uma dissertação formal como a que é exigida nas escolas, exames vestibulares e no Enem, assunto que tem preocupado muito professores.

A tecnologia é uma grande ferramenta para preparar o jovem para que ele seja um cidadão qualificado em suas funções profissionais, porém, tanto quanto a tecnologia, saber se comunicar corretamente através da língua portuguesa, seja de forma escrita ou falada, é de extrema importância para a formação do cidadão e do profissional.

O problema em questão, é que boa parte dos jovens e adolescentes de hoje, não estão sabendo lidar com esta imersão tecnológica, não sabendo a hora correta de se comunicar informalmente com os amigos e a hora que ele deve sair da realidade virtual e voltar ao mundo “real”, onde se faz necessário o correto uso da língua portuguesa.

Minha interpretação sobre este problema vivenciado por pais e educadores é que as crianças, adolescentes e jovens de hoje, digamos os nascidos a partir da década de 90, não veem a tecnologia como algo separado do mundo real. Para eles, a tecnologia é algo que faz parte de seu cotidiano, como comer, se vestir, se divertir, ou seja, para eles não existe o termo ‘tecnologia’, pois quando eles nasceram a tecnologia já se apresentou a vida deles como algo natural.

Para nós, cidadãos nascidos antes da década de 90, que vivenciamos a internet discada, que demorávamos horas para se conectar a internet, que nem sonhávamos com os smartphones, gadgets e todas as tecnologias hoje existentes, sim, para nós existe este divisor entre mundo real e tecnológico.

Uma das preocupações que surgem agora é quando todas essas tecnologias passam a influenciar significativamente algumas das atitudes desses jovens e adolescentes, já que, sequer um instrumento ou tecnologia inventada pelo homem pode ser intrinsecamente positivo ou negativo, certo ou errado, útil ou perigoso. É só a utilização que disso se faz que possa ser julgada com regras éticas. Acreditamos que esse público, ao utilizar cada vez mais a internet para se comunicar principalmente os chats e redes sociais, aos poucos vai ficando cada vez mais sem saber diferenciar a hora correta para se utilizar a linguagem informal, já que o discurso utilizado nas salas de bate-papo caracteriza-se por frases curtas e abreviações, sendo que a utilização frequente dessa linguagem pode interferir nas produções realizadas pelos jovens e adolescentes na sala de aula. Nesse momento nos deparamos com questionamentos que nos fazem pensar sobre até que ponto a influência é saudável e não surge como um empecilho no processo de alfabetização.

Portanto, o mais importante hoje é que haja sim, um grande esforço entre pais, educadores, governo e sociedade civil, para saber ensinar a estes novos cidadãos, que serão o futuro de nosso país, que deve haver sim a hora para tudo, como está escrito no livro de Eclesiastes 3:1 “Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.”.

Devemos ensinar a eles, a importância da língua portuguesa, e que a tecnologia é uma ferramenta que nos auxilia em muitas coisas, principalmente nos estudos, mas o que deve ser se de suma importância, é não se deixar dominar pela tecnologia, pois nós é que devemos domina-la, sabendo o momento certo para cada coisa, como o apostolo Paulo diz na 1 carta aos Coríntios 6:12 “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas; mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas.”.

Sabemos que a pressa peculiar dos jovens contribuiu para a criação desse tipo de linguagem que é usada como facilitador entre os grupos de internautas. Mas que deve ser utilizada sem seu momento próprio e oportuno.

Como sou apaixonado por tecnologia, como um profissional da área, sei que muitos jovens estão explorando as novas possibilidades da era digital para defender suas causas, reinventar modelos econômicos e transformar a própria realidade do mundo. Isto é inquestionável e deve ser incentivado. A era digital está aí e não há como se voltar atrás, o que deve haver sim, com muito esforço e dedicação, assim como a vontade própria do jovem e adolescente, é saber que o uso da língua portuguesa correta, fará com que ele mude o seu mundo e para melhor. #EraDigital #MundoMelhor #EscritaCorreta

Leonardo Nunes Moreira do Valle

Compartilhe: