Vasos Restaurados

“Como o vaso, que ele fazia de barro, se estragou na mão do oleiro, tornou a fazer dele outro vaso, conforme pareceu bem aos seus olhos fazer” (Jr 18.4)

 

O Senhor chamou Jeremeias para fazer uma visita, naquele dia, a um dos profissionais mais importantes daquela época: o oleiro. Com os seus instrumentos de trabalho aquele homem estava preparando o seu vaso. A chegada do profeta àquela casa aconteceu quando a obra daquele trabalhador se desfez, quebrando-se em suas próprias mãos. A lição foi das mais significativas para a vida do profeta. Era necessário que ele entendesse o que estava  precisando aprender. O povo de Israel era como que vasos estragados, quebrados, sem condições de serem refeitos. Era preciso uma restauração total. E Deus fala a Jeremias acerca do poder restaurador, transformador que somente a ele pertence.

Há muita gente nesse mundo que, à semelhança de Israel, precisa ser restaurado. É claro no texto que o oleiro resolveu fazer um outro vaso. E é o que o Senhor faz com a vida de todo aquele que o teme. Na realidade todos somos vasos quebráveis. E a palavra nos aconselha a que estejamos sempre vigilantes, revestidos de toda a armadura de Deus para não cairmos nos laços do diabo ou em suas armadilhas (Ef 6.11). “Eu quero ser, Senhor amado, como um vaso nas mãos do oleiro”, diz um conhecido hineto. É uma oração que deve partir do fundo da alma, devendo ser feita de todo o coração. Sendo vasos imperfeitos, embora possuindo muitas qualidades e muitas boas intenções, precisamos sempre de restauração em aspectos diversos de nossa vida. Reflitamos agora: “Em que eu preciso ser restaurado?” E ore com fé para que tal aconteça.

 

Fonte: Manancial