Recordar é Viver

recordar

“QUERO TRAZER À MEMÓRIA O QUE ME PODE DAR ESPERANÇA” (Lamentações 3.21)

Somos peritos em esquecer as coisas. Já perceberam como conseguimos esquecer das coisas mais básicas da vida. Onde colocamos a chave, onde deixamos aquela peça de roupa. Há alguns esquecimentos maiores ainda. A data do aniversário de alguém, o nome da pessoa que acabamos de conhecer e daí por diante.

Acho que se esquecer das coisas é algo que nos traz constrangimento, principalmente quando nos esquecemos de coisas importantes. O que dizer então quando esquecemos dos grandes feitos de Deus em nossa vida?

A vida Cristã é assim. Quantas vezes estamos passando por uma situação semelhante. Quantas vezes os problemas e desolações se tornam tão grandes que nos sentimos totalmente desesperados. Uma situação assim tira de nós algo muito precioso: A confiança em Deus.

Se pudéssemos colocar em um papel todas as coisas que Deus já fez em toda nossa vida, com certeza gastariamos muitas e muitas folhas para narrar todas as vezes em que o Senhor se prontificou a nos ajudar e agir soberanamente sobre nossa vida.

O que acontece é que nossa mente se esquece muito rápido do que Deus faz, e isso nos faz sentir uma tristeza muito grande. A mente humana com todas as suas capacidades de armazenar 40 milhões de informações aproximadamente, fotos, fatos, nomes, cores, sabores, números, pode levar o ser humano a desesperança, trazendo a memória coisas desagradáveis, a ponto de tirar a nossa paz, sono e apetite.

Jeremias encontrou algumas realidades básicas e fundamentais, com as quais se encheu de esperança para enfrentar a vida.

1° – A Primeira delas, é o fato de que o Deus a quem servimos é “MISERICORDIOSO“. “As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos porque as suas misericórdias não têm fim; renovam-se cada manhã.”

2° – A Segunda realidade que traz esperança a nossa mente é a FIDELIDADE DO SENHOR, porque essa misericórdia de Deus não é mero ”sentimentalismo” divino. É uma misericórdia produzida pelo caráter de Deus.

3° – A Terceira realidade que Jeremias traz à mente trata da “INTERVENÇÃO” DE DEUS. Jeremias entendia que a outra realidade positiva originava-se do fato de que Deus poderia “demorar” na Sua intervenção, mas esta viria, restando a ele, apenas esperar: “… aguardar a salvação do Senhor, e isso, em silêncio”.

4° – A Quarta REALIDADE que Jeremias traz à mente para enfrentar a desesperança. Ele descobriu que nesse trato difícil de dor, Deus estava trabalhando no seu Caráter.

5° – A quinta realidade indispensável usada por Jeremias quanto a reabilitar a esperança em sua mente, é o desenvolver uma atitude de “MANSIDÃO“. Ao invés de transformar as ações num ciclo de desgraça violência e de morte, ele decidiu responder com mansidão.

6° Em sexto lugar, Jeremias diz que restaura a sua esperança quando ele entende e crê na existência da COMPAIXÃO DIVINA. Isso é mais, muito mais do que misericórdia.

Para Jeremias é esperança e não o simples otimismo. Otimismo é desejo sem garantia. Esperança é a certeza e a confiança que se tem nas promessas da Palavra de Deus. Nossa esperança está em Deus, em quem Ele é e no que Ele nos prometeu. Portanto, “que o Deus da esperança os encha de alegria e paz, por sua confiança nele, para que vocês transbordem de esperança, pelo poder do Espírito Santo”. (Romanos 15.13).

Quando a mente está cheia de esperança: Recordar é Viver!

Pr. Carlos Elias de Souza Santos