Podemos ser restaurados

Como se fosse uma homenagem, João posludia seu evangelho com a história da restauração de Pedro. Nossa restauração pode ser até mesmo um epílogo. Em outros palavras, não há situação ruim definitiva. Não há pecado que não possa ser perdoado. Não há história que não possa ser reescrita.

Nossa vida pode ser ressignificada, não importa o cansaço (físico ou emocional), não importa a decepção (que tenhamos causado ou recebido), não importa o tamanho das chaves da prisão, não importa a tragédia da infidelidade (como ter negado a Jesus uma, duas ou três vezes). Na verdade, “é exatamente quando estamos mais cansados e desapontados que Jesus nos pede para participarmos de sua missão. Só depois disto compreendemos que nosso Sim foi livre em parte porque não havia nada que justificasse a nossa recusa”. (CAROL RUVOLO)

Lendo, portanto, a história de Pedro, notamos que o homem intempestivo, arrogante e petulante se tornou um servo humilde, disponível e obediente a Jesus até a morte.

Podemos continuar sendo Simão, mas podemos ser Pedro, homens e mulheres sobre quem, pela fidelidade, Jesus pode edificar a sua igreja.

Somos Simão mas podemos ser Pedro.

Fonte: Prazer da Palavra