O melhor legado do momento

Uma pessoa está em dificuldade.

Temos a oportunidade de estar com ela. A primeira tendência é, depois de ouvi-la, dizer-lhe algumas palavras sinceras e amorosas, para apoiá-la nesse momento.

Talvez a entendamos. E ela sorria.

Talvez lhe sugiramos um bom livro. E ela anote.

Talvez lhe ofereçamos um caloroso abraço. E ela agradeça.

Talvez choremos com ela, tocados pelo seu sofrimento. E ela se emocione.

Vai ser ótimo.

No entanto, nossa compreensão ou nossa sugestão ou nosso abraço ou nossa lágrima, mesmo reunidas num mesmo momento e recebidas como bálsamos naquela, talvez não resistam sequer algumas horas, tanta a dor.

Aquele momento conosco precisa servir como uma lembrança perenizada de que nos importamos verdadeiramente e que há esperança.

Há, então, uma atitude que podemos tomar, em conjunto com os outros gestos de amizade: nós podemos e devemos abrir a Bíblia (ou citá-la de cor, se o contexto o exigir) e orar junto com aquela pessoa.

A Bíblia tem o poder de implantar a confiança no coração entristecido. Quando lemos a Bíblia para uma pessoa, nós nos tornamos homens e mulheres de Deus na sua vida.

A oração tem o poder de nos mergulhar — o que toma a iniciativa e o que acompanha, mesmo silenciosamente — na atmosfera do amor de Deus, graças a Quem, não importam as dificuldades, vale a pena viver.

Fonte: Prazer da Palavra