De Geração em Geração

“SENHOR, tu tens sido o nosso refúgio, de geração em geração”. (Salmo 90.1)

Surgiu recentemente a necessidade de se nomear as gerações de forma a não alinhar com as mesmas características indivíduos de épocas diferentes. Até há pouco tempo atrás, quando nos referíamos a crianças, adolescentes ou pessoas de meia ou terceira idade acabávamos generalizando comportamento e características, independente da época em que viveram.

Hoje é inaceitável imaginar o comportamento de um adolescente, independente da época que tenha vivido. Assim, fica fácil entender que um adolescente do Século XIX, com certeza terá características diferentes de um adolescente do início do Século XX, ou dos anos 50, 60 ou 90.

De acordo com sociólogos, hoje temos uma mudança geracional de cada 10 a 15 anos. As diversas gerações convivem entre si, mas sem saber nada uma da outra. Se você tem 30 anos de idade e quer falar com alguém de 15 anos, normalmente olhará para ele como um desajustado que se veste de forma esquisita, e ele olhará para você como um velho muito “devagar” quase parando.

Por causa dessas diferenças, se optou por chamar as gerações (independente de sua idade, já que as gerações envelhecem) por nomes específicos

As principais classificações das gerações são:

Geração X- A primeira denominação moderna foi a que se denominou Geração X. Esta geração é composta dos filhos dos “Baby Boomers” da Segunda Guerra Mundial. (Baby Boomer é uma definição genérica para crianças nascidas durante uma explosão populacional – Baby Boom em inglês, ou, em uma tradução livre, Explosão de Bebês. Dessa forma, quando definimos uma geração como Baby Boomer é necessário definir a qual Baby Boom estamos nos referindo). Os integrantes da Geração X têm sua data de nascimento, localizada, aproximadamente, entre os anos 1960 e 1980.

Geração Y- A Segunda geração foi denominada de Geração Y. Apesar de não haver um consenso a respeito do período desta geração, a maioria da literatura se refere à Geração Y como as pessoas nascida entre os anos 1980 e 2000. São, por isso, muitos deles, filhos da geração X e netos da Geração Baby Boomers.

Geração Z – Formada por indivíduos constantemente conectados através de dispositivos portáteis e, preocupados com o meio ambiente, a Geração Z não tem uma data definida. Pode ser integrante ou parte da Geração Y, já que a maioria dos autores posiciona o nascimento das pessoas da Geração Z entre 1990 e 2009.

Diferentemente de seus pais, sentem-se à vontade quando ligam ao mesmo tempo a televisão, o rádio, o telefone, música e internet. Enquanto os demais buscam adquirir informação, o desafio que se apresenta à Geração Z é de outra natureza. Ela precisa aprender a selecionar e separar o joio do trigo. Em meio à abundância de informação a qual está exposta, é necessário saber utilizá-la da melhor forma possível.

Estamos no mês da juventude e hoje é o dia do adolescente batista. Estamos falando das gerações Y e Z. No Brasil, São 20,12% os jovens entre 15 e 24 anos de idade, mais de 34 milhões de cidadãos. É nesta faixa etária que se encontra parte da população brasileira atingida pelos piores índices de desemprego, evasão escolar, falta de formação profissional, mortes por homicídio, envolvimento com drogas e criminalidade. É fato também que os jovens de hoje já não se articulam como os cara pintadas da década de 90 (geração Y), ou aqueles das décadas de 60, 70 ou 80, que saiam nas ruas para protestar contra a ditadura, debatendo sobre a política e os assuntos de interesse da sociedade.

Os desafios são imensos. Devemos entender o comportamento das novas gerações para podermos ajudá-las a adquirir maturidade, influenciando-as para o bem de todos.

Que este seja um mês para o crescimento de nossa igreja e fortalecimento no relacionamento de nossas gerações. “O Senhor tem sido o nosso refúgio”.

 Do seu amigo e pastor (X) de todas as gerações.

Carlos Elias de Souza Santos.